Wednesday, June 15, 2005

Un pobo sen paso de peatóns

Alba de Tormes:
Nós estivemos alí, un pobo onde che cobran a auga da villa.
Un pobo no que arriscas a vida cando volves para o "hotel".
Quedanos o alivio do supermercado, un paraiso alcoholizante.
Grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr, como vaixaba!

Friday, June 03, 2005

Nunca esmoreceu

Porém, contra o que pretende uma ideología española partilhada por certo galeguismo, o uso do galego nunca esmoreceu. Erradicado das instituções galegas, permaneceu no desenvolvimento do Estado portugués, así como nas súas possessões de ultramar. Acompanhou a aventura marítima que abria desde Portugal as portas de umha nova época, servindo de língua franca nas rotas de Oriente e fazendo-se presente em América, como ocorrera com o latim do Imperio romano na Gallaecia. No século XIX, quando na estruturação de um Estado espanhol centralizado e uniformizado se pretendia umha segunda castelanização, o galego foi reivindicado polo nacionalismo, com a realidade é o símbolo de Rosalia Castro, como o cerne de umha cultura desenvolvida necessitada de umha institução estatal própria. Mas a norma fonética e ortográfica implícita usada não foi nem a histórica medieval galega, nem a que evolucionara em Portugal. Existia na Galiza um desconhecimento prático do galego escrito histórico e do tesouro dos Cancioneiros medievais e era de por si mesma abondo esforçada a luita polo reconhecimento no Estado español da diferença nacional galega. No próprio movimento nacional a prática monolíngüe do galego tardou en constituir-se num comportamento normal, numha situação à que não deveu ser allea a realidade de os galeguistas pertencerem en geral á minoria falante do castelám, que no século XIX não passava do 5% da população.
Se queres mais noticias busca en: www.qestione.org/node/view/398

Wednesday, June 01, 2005

Ismael, que foi mariñeiro



A meiga vivia de andar a esmola
noutras parroquias.
Podia facer ouro da area e cristal
do aire, pero servialle de pouco,
que cando o feitizo cambiaba
de mans, outra vez era area,
outra vez era aire.

Friday, May 06, 2005

Nós somos eses!

Somos os sospeitosos de asasinar aos "xes" ; nos pensamos nos eses, os xes, pra nos, son simplemente inesistentes, son duas raias as cales se cruzan sen sentido; nós so reivindicamos os nosos dereitos, que case sempre se ven avolidos polos "xes".
Aqui vos vai unha mostra da nosa literatura sen "xes". Desssssfrutadea.



O INMORTAL
Ás veces
penso na vida.
Penso no que sufrín
e no que me queda por sufrir.
Logo penso
e dígome:
Tamén haberá momentos bos, non?
Pero boto contas
e non me cadra,
vale a pena tanto sufrimento
para despois morrer e ser esquecido?
Vale a pena tanto esforzo
por unha mísera recompensa
á que algúns chaman felicidade?
Eu non o sei
e por iso escribo,
coa esperanza de que algún día
cando non estea aquí,
alguén me lea e me faga renacer.